Traduzir

sábado, 27 de dezembro de 2014

Serviço de Urgências

Inúmeras são as vezes que ao longo da vida nos desiludimos, umas desilusões maiores que outras, e com alguma frequência vão acontecendo.
Normalmente atribuímos a responsabilidade a alguém, acaba por ser bem mais cómodo, mas a verdade é que grande parte das vezes somos nós os responsáveis.
Somos os responsáveis pois esperámos mais do que aquilo que poderíamos obter, não soubemos gerir as nossas expectativas, e acabámos por nos desiludir.

Quando penso em urgência penso em algo que não pode esperar.
Por exemplo, a pessoa não pode aguentar com dores. Não pode aguentar com dores porque fez algum traumatismo, ou já anda há algum tempo com dores e estas têm-se vindo a agravar, até que chegou a uma situação insuportável.

Na publicação Traumatismos expliquei que não é a um osteopata que se deve recorrer logo após se fazer algum traumatismo. Da mesma forma que quando a pessoa está a passar por uma situação demasiado aguda, por uma situação de emergência, nem sempre o osteopata poderá ser a melhor solução na altura.




Os métodos terapêuticos que uso, apesar de poderem ser aplicados em algumas situações de urgência, o maior beneficio que se pode tirar deles é quando aplicados em situações que não são demasiado agudas.

É importante a pessoa procurar a medicina manual antes de chegar a um estado caótico, antes de chegar a um estado em que não se consiga movimentar, ou que tenha uma dor abismal.

Para situações de urgência existem os comprimidos, existem as injeções, e eu não sou contra o seu uso. Ainda bem que eles existem! Existem para serem administrados em situações demasiado agudas de forma a promoverem um alivio imediato dos sintomas.

Após haver um alivio dos sintomas mais agudos, aí é a melhor altura da pessoa procurar um osteopata que a possa ajudar a encontrar a causa do seu problema, resolver essa causa, e tratar definitivamente o seu problema, impedindo que se volte a repetir a mesma situação.

Se ainda assim insistirmos em procurar um osteopata para tratar a nossa situação de emergência, não podemos esperar ter um alivio imediato, pois aí o mais certo será desiludir-mo-nos.
A Osteopatia não funciona como um serviço de urgências. 
É verdade que cada caso é um caso, e haverá situações agudas em que se poderá promover um alivio instantâneo, mas regra-geral isso não é possível. E quanto mais antigo é um problema (é preciso contar desde a primeira vez que houve uma manifestação e não desde que está com dor aguda), mais tempo resolverá a se tratar, por norma costuma ser assim.

Outra situação semelhante é ter de esperar alguns dias até haver vaga na consulta, nesse intervalo de tempo pode recorrer a qualquer tipo de medicação de venda livre que vá aliviando a dor, não esquecendo que deixando de doer não significa que o problema fique tratado, só quando corrigir a causa é que elimina definitivamente o problema. Além de que o meu trabalho não tem como objetivo principal o alivio da dor, o objetivo principal é sim a obtenção do equilíbrio estrutural, e esse equilíbrio não pode ser obtido à base de medicação.

Sem comentários:

Enviar um comentário